quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

12° Capitulo - Fabric London.


Pov Chlöe Swan.
– Ah, é, Justin, eu, eu não sei o que... dizer!
Agora sim eu estava confusa; Justin estava querendo ter algo comigo ou estava ficando louca?
– Você me deixa sem saídas, Chlöe! Eu tento de todas as formas não pensar demais em você, mas é como se minha consciência voasse sozinha até os seus olhos. Eu não digo isso porque me sinto culpado, eu digo porque é o que eu sinto, mas parece que você não consegue me entender, é muito mais do que culpa o que eu sinto por você! Você nunca vai deixar de pensar no que aconteceu no passado para pensar no presente? Droga, Chlöe! Eu só... queria uma chance de te provar o que eu realmente sinto, mas parece que nem isso importa mais! – Justin se levantou e foi para a parte de trás do jatinho.
Se ele estava querendo me deixar confusa, estava conseguindo; minha boca se abria e fechava sozinha como se eu tentasse falar algo para mim mesma. Olhei para trás para tentar achar Justin, mas não o encontrei. Suspirei e tentei pensar um pouco mais em suas palavras. Tudo que era errado me parecia tão certo quando eu olhava em seus olhos, então porque não lhe dar uma chance? Eu vivi por tanto tempo sozinha, me remoendo pelo que aconteceu, mas a verdade é que Justin simplesmente me deu o melhor presente desse mundo e eu nunca poderia lhe agradecer, mas e se o nunca deixasse de existir agora, nesse momento? Eu precisava tentar.
Fechei os olhos e mal percebi quando dormi, apenas despertei quando vi Khalil tentando me acordar de uma forma carinhosa.
– Ei, sweet*, acorda! Nós já chegamos.
– Mas já? Eu dormi muito?
– É, digamos que sim. – Ele riu.
– E o Justin?
– Ele já foi para o hotel, eu fiquei pra ir com você. – Disse ele sorridente.
– Acho que ele está chateado comigo.
– Eu poderia te dizer mil coisas sobre isso, mas você sabe o que fazer! – Disse ele com certeza. Khalil era aquele tipo de pessoa que conseguia te ler pelos olhos, sem dizer se quer uma palavra.
– É, eu sei. – Afirmei. – Então, vamos? –Ele assentiu com a cabeça.
Khalil acordou Megan também e ela não resistiu ao seu colinho. Justin já havia saído do aeroporto, mas ainda havia muitas pessoas ali; tivemos que correr quando perceberam que saímos do jatinho dele e que alguém estava com Khalil. Entramos no carro bastante ofegantes e o motorista logo deu partida no carro e nos tirou dali.
– Eles reconheceram você e a Megan!
– O que? Como?
– Eles não costumam vir atrás de mim quando estou sozinho. As fotos do hospital e do dia da boate, acho que eles se lembraram.
– Droga! Espero que eles não tenham conseguido tirar nenhuma foto de nossos rostos.
– Acho que não, o tempo todo estávamos de costas para eles e Megan está de touca. –Assenti e me senti um pouco mais calma.
Khalil me disse que nós ficaríamos no The May Fair, ou seja, ficaríamos no mesmo hotel; aquele era o hotel dos meus avós, não conseguia chamar aquele hotel de meu sendo que era um patrimônio dos meus avós, mesmo eles não estando mais entre nós.
Chegamos no hotel e já estava aquela grande euforia de fãs, sorri automaticamente por ver o amor daquelas meninas pelo Justin, chegava a ser contagiante a emoção delas por estarem apenas um pouco mais perto dele. Assim que os seguranças viram que estávamos chegando, trataram de sorrir e vir nos receber; o carinho que eles tinham pelos meus avós passou a ser por mim e por Megan também.
– Bom dia!
– Bom dia, rapazes, muito trabalho? – Sorri animada, já sabendo a resposta.
– Até que não, só a dor de ouvido que é forte, dona Chlöe. – Disse ele, devido ao grito das Beliebers. – Justin Bieber resolveu se hospedar aqui, então a senhora sabe, né?
– Me sinto uma velha de 100 anos com você me chamando de “senhora” – Todos nós rimos. – Por favor, me chame de tudo menos de senhora, tudo bem? – Eles assentiram rindo e nós continuamos andando. – Justin está em qual andar?
– Penúltimo. – Ele sorriu. – Ele pediu o último, mas como a Elisa sabia que a senhorita viria, deixou ele para sua instalação.
– Tudo bem, Justin e eu somos amigos, se quiserem avisar que ele e os amigos podem ficar no último andar junto conosco, não há problemas, ok?
– Tudo bem.
Fui avisada de última hora que teria uma reunião em meia hora; deixei Megan no quarto com Kate e terminei de me arrumar, não estava muito acostumada a sentar na cadeira principal de um grande empreendimento, mas quando era necessário, eu gostava de fazer tudo certo para que nada desse errado. Caminhei até o elevador e pude ver a última porta sendo aberta; Justin saiu todo sorridente de lá, mas quando me viu seu sorriso desapareceu e um olhar desconfortável assumiu o controle, ele estava me evitando, isso era bem óbvio. Respirei fundo e não deixei aquilo me abalar, eu era madura o suficiente para entender o lado dele e a forma que ele lidava com a situação.
A reunião foi um pouco cansativa, mas conseguimos colocar todos os assuntos em pauta e resolve-los. Eram coisas simples, mas que precisavam de certo cuidado para serem negociadas.
Saí completamente exausta da sala de reunião e fui direto para o restaurante, Justin e os demais estavam ali almoçando. Fingi que não os vi e sentei em uma mesa bem distante, não seria nada legal eu me sentar ali sabendo do que aconteceu mais cedo comigo e com Justin.
– Bom dia, senhorita Chlöe. – Disse um garçom.
– Bom dia. – Sorri. – Um suco de morango, por favor.
Ele assentiu sorrindo e logo saiu; fiquei ali, aguardando o meu pedido enquanto tentava de todas as formas não olhar para onde Justin estava sentado. Meu coração parecia estar sofrendo leves cócegas quando eu pensava nele e em seu sorriso, que merda estava acontecendo? Então era isso? Nosso destino deveria mesmo ser traçado? Tantas perguntas em minha mente, mas sem nenhuma resposta concreta.
– Aqui está, senhorita Chlöe. – Disse o garçom sorridente. – Se precisar de mais alguma coisa, é só me chamar.
Assenti e bebi um pouco do meu suco, não consegui me aguentar e dei uma breve olhada para trás, merda, merda, merda! Justin estava olhando em minha direção, aquilo me deixou totalmente nervosa e sem graça por ter olhado.
Terminei de beber o meu suco e me levantei, fiz um percurso totalmente diferente para não ter que passar por eles novamente e entrei no elevador, a porta estava quase fechando quando vi uma mão segurar a porta e várias pessoas começaram a entrar, ou melhor, Khalil e todos os outros começaram a entrar. Quis sair dali dando a desculpa de que havia me esquecido de algo, mas seria muito infantil da minha parte, então apenas os olhei e sorri um pouco sem graça.
A última a entrar foi Alicia, que praticamente empurrou todo mundo para ficar ao meu lado. Ela estava com uma cara nada boa, o que me fez pensar na possibilidade dela e de Chaz terem brigado.
– Você vai, né? – Questionou-me ela.
Fiquei sem entender e por um minuto parei para pensar se eu havia me esquecido de algum compromisso, porém não me lembrei de nada.
– É claro que ela vai. – Respondeu Khalil, me abraçando de lado.
– Esperai! Onde? Não estou entendendo nada.
– Nós vamos na Fabric London! – Disse Alicia com um sorriso provocativo nos lábios.
– Aquela famosa boate?
– Essa mesmo. – Khalil respondeu, animado.
Sorri pensando na hipótese, talvez não seria uma péssima ideia ir me divertir um pouco. Seria?
– Tudo bem, eu vou. – Respondi animada e Khalil me abraçou ainda mais forte e Alicia comemorou sorrindo.
O elevador parou e nós descemos; não pude deixar de notar que no quarto em que Justin estava, várias meninas entraram. Senti uma coisa me incomodando e aquilo me irritou profundamente. E não pensem que foi ciúmes, é óbvio que não foi; eu não tenho ciúmes, nunca tive.
Entrei dentro do quarto e suspirei; procurei Kate e Megan, mas só encontrei um bilhete dizendo que elas estavam na piscina. Me joguei no sofá e ali mesmo dormi o resto da tarde; levantei com aquele som insuportavelmente alto, abri a porta do quarto e percebi que o maldito som vinha do quarto de Justin. Idiota.
Rapidamente procurei pelo meu celular e mandei uma mensagem para Alicia.
Hey, onde você está? - XO, Chlöe.
Aguardei mais alguns minutos enquanto esperava ela responder e me deitei na cama ligando a TV. O celular apitou indicando que ela havia respondido:
Acredite, estou assistindo TV :( E você? - Alicia
Rapidamente respondi.
Sério? Você, vendo TV? Jurava que estava na piscina, haha. O que aconteceu? Pode vir até o meu quarto? - Chlöe.
Joguei o celular longe e fui até a sacada, respirei fundo e contei até dez. Como eu imaginava, havia varias meninas na sacada do quarto de Justin. Merda! Eu juro que não é ciúmes, juro.
A porta do meu quarto se abriu e Alicia entrou com uma cara nada boa.
– Você viu? – Disse ela, se referindo à sacada do Bieber. – Homens não prestam mesmo, ou melhor, Chaz não presta.
– O que ele fez? – Perguntei.
– Ele é um idiota. – Respondeu ela em um tom magoado. – Mas não quero falar sobre isso, tudo bem? – Assenti com a cabeça e ela assentiu.
Alicia se deitou ao meu lado e eu fiquei pensando na hipótese de contar a ela sobre Justin, talvez ela pudesse me ajudar...
[...]
– Chlöe, você já está pronta? – Perguntou Alicia, quase gritando.
– Sim. – Respondi. – Já estou indo.
Me olhei pela última vez no espelho e gostei do resultado, estava usando um vestido preto com detalhes que pareciam diamantes, um sandália de salto alto preto com os mesmos detalhes do vestido. Meu cabelo estava solto com apenas alguns cachinhos nas pontas e minha maquiagem estava leve, o vestido havia ficado perfeito em mim e realçou bem as curvas do meu corpo. Peguei minha bolsa e fui até a porta onde Alicia já me esperava.
– Oh, Chlöe. – Exclamou Alicia em fúria.
– O que foi? – Perguntei preocupada.
– Como irei arrumar um namorado com você do meu lado? Não vai sobrar ninguém pra me querer.
– Palhaça. – Comecei a rir e ela continuou séria.
– Estou falando sério. Pode deixar algum pra mim ou vou ter que me contentar com as sobras? – Ela gargalhou. – Você está tão linda, Chlöe.
– Errado! – Retruquei. – Nós estamos lindas!
– Vamos parar tudo hoje, PORRA!!!!!
Alicia gritou extremamente alto, fazendo com que as pessoas nos olhassem.
– Acho que você gritou um pouco alto demais.
– Você acha? – Perguntou ela rindo.
Saímos do hotel e demos de cara com vários carros a espera de todos; Alicia e eu preferimos ir de táxi, assim poderíamos aproveitar mais e depois não precisaríamos voltar dirigindo. Foi uma ótima escolha.
Entramos no táxi e esperamos até que os demais entrassem em seus respectivos carros. O lugar era um pouco longe, mas como estávamos falando de Fabric London, valia muito a pena esperar!
Finalmente chegamos; a boate estava lotada, era praticamente impossível ver o final da fila para a entrada, mas felizmente estávamos com entradas vips e não era necessário enfrentar filas para entrar. Senti uma pontada forte em meu coração quando percebi que Justin estava me olhando, mas era sempre a mesma coisa, eu o olhava e ele revirava os olhos. Até quando ele iria me evitar? Tentei não ligar muito para isso, estava ali para me divertir, certo? Certo.
Alicia e eu estávamos ali pelos mesmos motivos, e nós sabíamos disso. Hoje o dia era nosso e iríamos abusar disso. Assim que avistei o barman, pedi uma dose de tequila; Alicia se juntou a mim e logo uma dose se tornou em sete consecutivas, o barman era um fofo e sempre nos atendia rápido.
– Ei. – Disse Alicia. – É melhor nós subirmos. – Disse ela se referindo ao camarote, onde os outros estavam.
– Oh, claro. – Sorri e me levantei.
Começamos a subir as escadas, mas quando estávamos quase chegando ao terceiro andar, um rapaz puxou meu braço com força e acabou me assustou, apenas vi Alicia continuar andando sem me dar chances de pedir ajuda ou alguma desculpa para sair dali.
– Com pressa? – Perguntou ele; devo admitir, ele era lindo. Sua pele era branquinha como a neve e seu cabelo preto destacavam seus olhos verdes.
– Um pouco. – Sorri desconfortável e olhei para cima onde Justin me olhava de onde estava. – Se não se importa, tenho que subir.
– Mas é claro que eu me importo. – Ele se aproximou mais. – Você é linda, sabia? A mais linda da Fabric London.
– Oh, obrigada, mas eu realmente preciso ir. – Justin continuava me olhando lá de cima; meus olhos praticamente imploravam para que ele descesse lá e me ajudasse, como da última vez que o encontrei em uma boate, mas ele não se moveu. Continuou me olhando com raiva nos olhos.
– Um beijo e garanto que não irá se arrepender, princesa. – A cada passo dele, eu me afastava cada vez mais. Meus lábios não pediam pelos dele, mas sim gritavam pelos de Justin; merda, onde eu fui me meter mesmo?
– Bem, não me leve a mal, mas é que ... – Ele me interrompeu.
– Você não tem namorado, não tente me enganar. – Ele riu. – Não há nenhuma aliança em seu dedo e eu vejo em seus olhos que você me quer, da mesma forma que eu te quero. – Ele se aproximou, quase me beijando.
– Acho que você precisa melhorar sua visão, querido. – Sugeri e o afastei de mim, aproveitei e comecei a subir mais rápido as escadas, novamente senti meu braço ser puxado com força.
– Droga! – Exclamei pela dor.
– Você não pensou que eu te deixaria ir, né, gostosa? – Estava pronta para começar a gritar ou lhe dar um soco ali mesmo, mas uma voz grossa me interrompeu de fazer tal ato.
– Menina Chlöe, algum problema? – Me virei rapidamente para trás e vi Mike e Dustin, os seguranças de Justin. Olhei para cima e vi ele me olhando com aquela mesma expressão, obviamente eles estavam ali a pedido dele.
– Bom, sim. – Sorri envergonhada. – Será que vocês podem me ajudar a chegar até o terceiro andar? – Rapidamente o moreno de olhos verdes segurou mais forte meu braço.
– Claro, menina Chlöe. – Afirmou Dustin.
– E você garoto. – Disse Mike, se referindo ao moreno de olhos verdes. – É melhor solta-la se não quiser mais problemas, e fique longe dela! – Confesso que até eu fiquei com medo de Mike pelo seu tom, mas sorri e agradeci quando aquele menino finalmente me deu as costas e foi embora. – Bem que o Justin diz que é um perigo deixar a senhorita sozinha em uma boate. – Ele riu. – Não tem medo de ser forçada a fazer algo que não queira?
Quase me engasguei com minha própria saliva quando ele disse aquilo, é claro que eu tinha medo, mas o que eu poderia fazer, me privar do mundo?
– Eu não sei o que eles veem em mim. – Respondi com sinceridade, eu só era mais uma das milhares de mulheres que havia ali.
– Então você não sabe o que vê, Chlöe. – Novamente fiquei sem saber o que responder. – Espero que se divirta; se precisar, estaremos aqui.
Concordei e agradeci mais uma vez, envergonhada, é claro. Subi o último degrau e vi Justin conversando com um garoto que eu não conhecia, me aproximei e fui recebida com olhares de ambos, o menino se despediu de Justin e nos deixou a sós, ele bebericou um pouco de sua bebida e desviou os seus olhos dos meus, voltando a olhar para baixo.
– Justin. – O chamei. – Eu... Eu só queria agradecer por pedir para que Mike e Dustin me ajudassem. – Não, ele não me respondeu, nem se quer me olhou novamente. Sim, mais uma vez ele me ignorou.
– Isso tudo é culpa sua, Chlöe. Não o culpe por seus atos e consequências. Você escolheu assim. – Minha consciência praticamente gritava isso em minha mente.
Senti um aperto em meu peito e segui meu caminho, me sentando ao lado de Alicia, que estava em um dos sofás que havia ali.
– Onde você se meteu? – Perguntou Alicia.
– Um idiota me parou na escada, você nem pra me ajudar, hein! Saiu e me deixou lá. – Respondi.
– Sério? – Ela riu. – Juro que não vi, me desculpe. Mas e aí? Ele era gatinho?
– Ai, Alice. – Ri. – me poupe dos seus interrogatórios.
– Já entendi tudo. – Ela riu. – Ele deve ser lindo, mas você está apaixonada pelo Bieber, certo?
– O que? – Disse indignada. – Óbvio que não! Imagina, não, nunca!
– Se eu fosse você, nunca diria nunca, diz a lenda que nunca é a chave de um portal, muitas pessoas gostam dele, outras não. – Disse ela, provocativa. Entendi perfeitamente o que ela quis dizer com aquilo. – Vem, gata, vamos beber!
Concordei com ela e fomos até o outro lado do lugar onde estava sendo servido as bebidas; havíamos ficado com o terceiro andar apenas para nós, apenas pessoas autorizadas por mim, Justin, Khalil, Chaz, Alicia e Twist poderiam entrar ali. Justin até que tentou pagar tudo sozinho, mas eu não concordei e nem os outros, então dividimos e acertamos entre nós. Foi um acordo pelo Khalil, já que Justin e eu não estávamos nós falando.
Para o meu azar, o lugar em que Alicia escolheu era de frente para onde Bieber estava, o que me permitia ficar vendo-o.
– Não tinha um lugar melhor pra escolher, não? – Ironizei irritada.
– O que tem de errado com esse? – Disse ela, confusa.
– Nada, esquece!
Alicia e eu começamos a conversar assuntos bobos enquanto as doses de tequila aumentavam, já não conseguia me sentir em sã consciência como antes, afinal, isso era bom ou ruim? Me sentia irritada e triste ao mesmo tempo, mas não queria demonstrar isso. Estava irritada por ver cada vez mais garotas sendo autorizadas a entrar ali, mais isso ainda não era o ponto x da questão, o fato era que Justin estava as escolhendo a dedo para entrarem ali e querendo ou não, eu estava morrendo de ódio com aquilo. E para complicar tudo, eu sabia que aquilo era minha culpa.
Ele finalmente pareceu se cansar de brincar de escolher quem estaria ali ou não e foi se divertir; Mike e Dustin ainda estavam ao seu lado, mas eles não eram os únicos. Alicia também resolveu fazer o mesmo assim que viu um loiro lindo indo até o outro lado do terceiro andar. Chaz e ela não estavam mais juntos pelo fato de Chaz não querer nada sério, mas sempre que Alicia se aproximava de algum menino ele ficava irritado e agia como se eles fossem namorados; ela estava confusa e ele não sabia o que queria, então foi aí que eles decidiram se afastar.
E é aí que minha consciência me pergunta:
– E você Chlöe? Vai ficar aí parada vendo quantas meninas Justin é capaz de pegar enquanto você se lamenta?
– Sim, eu vou ficar aqui! Me deixe em paz. – Respondi para mim mesma, que porra é essa? Eu estava mesmo falando sozinha? O que a bebida não é capaz de fazer conosco, não é mesmo?
– Senhorita, você está bem? – Perguntou o barman que havia me servido a alguns minutos atrás.
– Bom, eu não sei. Mas acho que sim. – Ri. – Não sou acostumada a beber, então quando bebo fico assim, falando sozinha. Acho que você sabe como é...
– Perfeitamente. – Ele respondeu sorrindo. – Qual é o seu nome?
– Chlöe, e o seu?
– Andrew. – Ele sorriu, envergonhado. – Mas então, senhorita Chlöe, por que não está se divertindo?
Ri de sua pergunta; estava tão na cara assim que eu não estava me divertindo nada ali?
– Bom, eu estou me divertindo; do meu jeito, mas estou.
Ele apenas me olhou e continuou o que estava fazendo.
– Sabe, trabalho aqui desde os meus 21 anos, óbviamente sei que você não está se divertindo. Mas esse é um segredo nosso! – Ele piscou para mim e olhou para Justin e logo em seguida retornou seus olhos a mim, como se soubesse o que estava acontecendo.
Aquilo só podia ser paranoia minha.
– Por favor, me dê uma garrafa de Jack Daniel's? – Pedi e ele me olhou assustado.
– Ok, isso não é da minha conta, mas você não acha que é melhor ir bebendo em doses? Ou talvez algo mais fraco? – Eu sabia que ele estava apenas querendo me ajudar.
– Não. – Sorri. – Eu estou bem.
Ele assentiu e me trouxe a garrafa. Sentia meu coração batendo tão forte, como se a qualquer momento ele fosse escapar de mim. O motivo estava bem ali, em minha frente. Talvez se eu bebesse mais aquilo tudo desapareceria.
A cada gole uma sensação diferente, ao invés de acabar com aquilo, tudo piorava. Maldita hora em que eu aceitei me sentar aqui com Alicia, agora além de estar sozinha, bêbada, estava chorando pela mesma pessoa que me fez chorar por anos, mas agora era um motivo diferente, eu estava mesmo gostando dele?
– Chlöe. – Andrew me olhou com piedade. – Não quer me dar essa garrafa? Você já bebeu mais da metade e está chorando, isso está cortando o meu coração.
– Eu estou bem, Andrew, obrigada. – Assenti novamente e continuei a chorar encostada no balção, acho que já estava na hora de voltar para o hotel.
– Você não quer desabafar? Se precisar, eu estou aqui. – Disse ele atencioso.
– Você já sentiu medo de gostar de alguma coisa que já odiou por muito tempo? – Ele assentiu e eu abaixei a cabeça. – Eu passei três anos odiando esse idiota. – Respirei fundo e funguei as lágrimas. – E agora eu estou apaixonada por ele? Isso não pode estar acontecendo.
– Você está se referindo a ele, não é mesmo? – Disse ele, seguindo os olhos até Justin, que dançava com uma menina incrivelmente linda. Assenti com a cabeça e ele segurou uma de minhas mãos que estava no balção. – Isso é complicado, acho que não existe alguma menina que não seja apaixonada por ele, afinal, ele é o Justin Bieber. – Ele riu, tentando me fazer rir também.
– E eu sou a mãe da filha dele. Mas isso que está acontecendo é minha culpa, ele me pediu uma chance, mas o que eu fiz? Novamente coloquei o passado a minha frente e agora quem foi apunhalada fui eu; meus atos, minhas consequências. Como diz minha consciência. – Sorri e logo depois percebi o que havia falado.
– Vocês tem uma filha? – Perguntou ele, sem reação. Neguei com a cabeça e me levantei.
– Já está tarde, preciso voltar para o hotel e descansar. Adeus, Andrew!
– Não chore mais, eu não irei contar a ninguém o que escutei aqui. Esse é o meu dever. – Ele sorriu. – Adeus é uma palavra muito forte; até logo, Chlöe.
Sorri e Andrew piscou pra mim; peguei minha bolsa e saí secando minhas lágrimas. Meus passos estavam tão tortos e minha visão tão turva que achei melhor ir olhando para o chão, assim ninguém me veria naquela situação e eu ainda conseguiria me controlar.
Notei que a garrafa de Jack Daniel's ainda estava em minhas mãos e não deixei a oportunidade de beberica-la mais uma vez.
– Me dá isso! – Abri os olhos e vi Justin em minha frente com as mãos esticadas. – Anda, me dê logo essa garrafa. – Ele parecia irritado.
– E porque eu te daria, Justin Bieber? Você não manda em mim! – Respondi rindo.
– Fraca! Não consegue lidar com os problemas da vida sem uma garrafa do lado? Pra conseguir me enfrentar e me responder você precisa disso?
– Não, Justin Bieber. – Ironizei. – Eu preciso disso. – Ergui a garrafa. – Pra ter que conseguir ver você com outras meninas. – Senti outra lágrima descer. – Agora me dá licença, que a fraca aqui, precisa ir embora.
-----
* Sweet - Doce.
Demorei mas finalmente postei, me perdoem novamente pela demora, mas estou viajando e fica um pouco complicado escrever aqui. Espero que tenham gostado, vou tentar postar o próximo logo. Amo vocês! <3

Tw: @opsdrewbieber ou @snowflakesbiebs
Grupo da fanfic: https://www.facebook.com/groups/158012384348880/
ask: http://ask.fm/snowflakesbiebs 
Comentem e me façam feliz hahahah Beijo!! ❤
Comentários
10 Comentários

10 comentários:

  1. gostei muito eu estava desistindo desse imagine pela demora,,mais vou vero que resolvo... olha a sua historia é perfeita o unico defeito é que vc demora de+++ pra postar.. mesmo assiim não vou parar ate o proximo capitulo

    ResponderExcluir
  2. Essa é uma das melhores fanfics que eu leio, mas você realmente demora demais, tipo, nao estou falando para postar todo dia, mas pelo menos uma vez por semana, porque ai ficaria 4 capítulos por mês, entende? É só uma sugestão, nao leve a mal, enfim, continue princesa

    By kethelen

    ResponderExcluir
  3. ai mdss qe perfeita sua fanfic , espero qe não demore muito da pxm vez , continua logo !!

    ResponderExcluir